Consciência e Temporalidade: do Ser Finito ao Ser Eterno em Edith Stein

No dia 28 de Junho de 2017, das 11h15 às 13h00, decorreu mais uma sessão do Seminário Permanente do Grupo de Filosofia do CEFH. No enquadramento da problemática geral do tempo, esta sessão, a cargo da Prof. Doutora Etelvina Nunes, subordinou-se ao tema “Consciência e temporalidade: do ser finito ao Ser eterno em Edith Stein“.

Em Edith Stein, a consciência é inseparável da noção de temporalidade. Apoiando-se nas noções de acto e potência de Tomás de Aquino, e na fenomenologia de Husserl, Stein constrói uma teoria do tempo que tem a sua centralidade no presente. Se, por um lado, a temporalidade manifesta a finitude do ser humano, por outro, é também indício da necessidade ontológica de receber o ser. Criticando Heidegger, a autora sublinha que o ‘ser do ser finito’ aparece como ‘um ser recebido’. Neste contexto, serão tratadas algumas questões: Como é que as vivências da consciência, sendo um ‘fluir temporal’, se podem elevar ao acolhimento de algo que é intemporal e que vem dar sentido ao meu ser finito e temporal? Como entra o eterno no tempo?

A sessão contou com a moderação da Prof. Doutora Yolanda EspiñaO Seminário, direcionado a todos os docentes e alunos da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais, esteve aberto também a todos os interessados.